janeiro 12, 2009

O homem que amou demais

Sei que podem estranhar a minha narrativa, confesso que não estou mesmo acostumada a ela...Mas, como já denunciava Walter Benjamin perdemos a capacidade de narrar...de contar histórias e com isso perdemos também a magia dessa forma artesanal de comunicação...tão humana...Faço aqui a minha envergonhada, mas necessária tentativa...

Era uma vez...porque uma vez haveria de ser para que tudo comece e termine...um homem que amou uma mulher mais do que a si mesmo. Um homem capaz de uma amor tão intenso que só poderia ser compreendido por seu modo de ser no mundo. Acostumado que estava a grandes batalhas já havia enfrentado todos os tipos de periculosidades e soube, a cada temor, dar o golpe certeiro de sua espada. Superou, inclusive, o pior e mais temido inimigo.... Uma doença que apoderou-se de seu corpo e tombou-o em uma cama. A suspeita: não voltaria a andar. No entanto, quem poderia diagnosticar esse guerreiro a não ser ele próprio? Não acreditou e se auto-diagnosticou contra tudo e todos: voltaria, sim, a andar, a correr, a lutar e a tudo mais que estava acostumado e ainda melhor. Convicto que estava disso lançou-se, apaixonadamente, em sua mais difícil batalha e dela saiu ainda mais belo e confiante de sua força.
No entanto, não sabia que a sua luta mais desafiadora ainda estaria por vir. Uma mulher. Tão indomável como o seu mais audaz inimigo.Tão livre e incomum. Uma mulher que possuía uma lucidez penetrante que lhe permitia ver além de qualquer formalismo, como se viesse de volta de vinte anos de guerra. Contraditória; pois quanto mais dominava os saberes do mundo, tornava-se cada vez mais impermeável aos formalismos, mais indiferente à malícia e desconfiança, feliz num mundo próprio de realidades simples. E, quanto mais livre dos convencionalismos e obediente a sua espontaneidade, mais perturbadora ficava sua beleza e mais provocante seu comportamento. Tudo nela pecava, por assim dizer, por um excesso de delicadeza*.
Ao contrário da maioria das mulheres não queria casar-se, ter filhos e nada que a limitasse em sua liberdade. A liberdade é, por isso, sua potência. É o vento forte que alimenta seu espírito nos topos dos horizontes das montanhas. Filha do sol, amante do vento da serra, das águas correntes, das cachoeiras, galopa para sentir os ventos doidos nos cabelos*.
Uma mulher que cercava-se da beleza através dos mais delicados objetos, sabedora que era da influência deles sobre cada um dos seus gestos. Tudo que a adornava, tudo que servia para realçar sua beleza, fazia parte dela própria. É, sem dúvida, uma luz, um olhar, um convite à felicidade... *.
Ele, o guerreiro, a escolheu como alvo de seu amor. Mas, por quê? Porque não poderia escolher nada menor do que os grandes desafios a que estava acostumado. E, quanto mais percebia nela uma batalha, mais instigava-lhe a conquista. Não que isso revelasse nele um traço de vaidade, ao contrário, o que o movia era uma nobreza digna dos melhores sentimentos: encantamento, amizade, generosidade, doação e uma série de virtudes dignas de um tratado que as catalogasse.
Persistente e incansável que era em seus objetivos conquistou, enfim, o amor da mulher. Ela estava encantada com sua força, persistência e, especialmente, por sua capacidade de amá-la. O que não significou que tiveram uma vida serena juntos, nada disso. Travaram memoráveis batalhas, herdeiros que eram, ambos, da belicosidade e da obstinação.
No entanto, a mulher viu-se, em determinado momento, impelida por sua natureza. A liberdade a chamou e ela sofreu como nunca ao deixar o guerreiro. A nobreza do sentimento do guerreiro por ela a fez, inclusive, repensar sua própria natureza, a querer ser, por um instante, uma mulher comum. Mas, nada pode impedir um espírito tão ávido por sua liberdade e tão convicto de seu caminho.
Ele sofreu, ciente de perde-la. No entanto, ganhou algo que não poderia imaginar com a sua partida. Uma presença que transformou sua solidão em uma solitude. Descobriu que a capacidade da amar não dependia mais do alvo do seu amor, mas de sua capacidade em si mesma de amar. Eis sua conquista definitiva, soube, enfim, que era um homem que trazia em si a maior força (a que inclusive era a responsável por suas outras vitórias) a sua infinita capacidade de ter o amor em si.
-
** * Para a caracterização da mulher combinei o meu próprio texto ao de Gabriel Garcia Marques em "Cem anos de solidão" , quando descreve Remédios; a caracterização da duquesa de Langeais feita por Balzac; trechos de Charles Baudelaire na obra " Sobre a Modernidade" e trechos de Agripa Vasconscelos quando descreve a lendária Dona Beija no livro "A vida em flor de Dona Beija".

6 comentários:

Anônimo disse...

Lindo!

Kellen Santos disse...

Muito bacana!

4º período no ar disse...

Olá professora!

Que lindo, adorei!

Saudades de você.

bjs,

Bruna.

Anônimo disse...

Acabei de me graduar em Comunicação e acabei de encontrar seu blog. Virei fã. Vou visitar sempre. Parabéns.

Rogério Saddi

Ricardo Malagoli disse...

Até deu vontade de jogar RPG.

Jefferson Delbem disse...

"Sua capacidade em si mesma de amar". Acredito ser esse um dos maiores descobrimentos do ser humano. Adorei o texto Isabelle.