março 15, 2008

Comentário em vídeo sobre o evento "As Tramas do Contemporâneo" (Itaú Cultural)

video

Inauguro, com o vídeo acima, a experiência de comentários de livros, palestras e assuntos da atualidade neste suporte. A idéia surgiu das minhas visitas ao blog do professor de Portugal Rogério Santos.

Inicio com a análise crítica das palestras do evento "As Tramas do Contemporâneo", realizado pelo Itaú Cultural no início do mês de março em São Paulo. O evento contou com a participação de quatro professores da USP: Franklin Leopoldo e Silva; Renato Mezan; José Miguel Wisnik e Teixeira Coelho.

Das questões levantadas no vídeo temos: O que é o Contemporâneo? O que são as tramas da vida moderna e como nós, sujeitos, transitamos por elas? Confira e comente...

Atenciosamente,

17 comentários:

Luiz Felipe disse...

Parabens pela iniciativa!
continue com as experiencias!

Isabelle Anchieta de Melo disse...

Caro Luiz Felipe,

agradeço o retorno - é muito importante.
Estou aprendendo aos poucos a utilizar os recursos do blog e sinto que a página, aos poucos, amadurece. Mas, para isso, conto com esse nosso diálogo e as sugestões.

Abraço,

Anônimo disse...

Fantástico os esclarecimentos, ilustrativo, dinâmico e ágil, espero que continue com a iniciativa.
Não posso deixar de mencionar como vc é bonita.
Sou teu fã
Fiorentino Capone

ELIDY FLY disse...

Isabelle,
Adorei a novidade! muito bom mesmo, a experiência foi a de ter aula duas vezes por semana com você. gostei muito mesmo.
Bem, com relação ao conteúdo ainda não posso dizer nada, pois preciso pensar, refletir, discutir e aí comentar...pra mim vai ser uma ótima perspectiva de olhar o contemporâneo, já que o vejo sempre pelo olhar marxista.
Beijos.

Isabelle Anchieta de Melo disse...

Caro Fiorentino,

agradeço a atenção. Quanto ao dinamismo tb achei interessante, como disse tirei a experiência do blog do prof. Rogério e já julgava uma forma rica de interação.
Que bom que avaliou que o vídeo funcionou aqui no blog,

Atenciosamente,

Isabelle Anchieta de Melo disse...

Olá Elidy,

estou adorando sua participação no blog, em sala e nos debates (coloquei um link para o seu, vc viu?). Quanto a refletir sobre o que disse espero, mesmo, o seu comentário, até por ser ele localizado em outro lugar (o marxismo). As diferenças fazem parte e temos de estar abertos para o que o outro tem a nós acrescentar, mesmo que isso implique em uma crítica.

Abraço.

ELIDY FLY disse...

Obrigada Isabelle,
Fico muito feliz pelo seu elogio ao meu blog, pois te admiro muito, ADORO a sua aula e acredito que este "engajamento refinado" eu devo a pessoas que como você compartilham comigo experiências que eu jamais vivenciaria no meu cotidiano. Acredite! você tem acrescentado muito à minha militância. Grande beijo!
OBS: Não precisa aceitar a postagem tà. È só pra vc saber que gostei do seu comentário.

Leandro Jahel disse...

É muito válido essa interação entre mídias distintas! Fora essa inovação, o conteúdo discutido é muito importante.

Abraços, Leandro Jahel

Isabelle Anchieta de Melo disse...

Caro Leandro,

Quanto às mídias concordo com vc. A alternância delas dá um ritmo interessante ao conteúdo. E, que bom que comentou sobre o conteúdo. Tb acho a informação relevante e "contemporânea". Pensar sobre o presente é sempre um exercício de comprometer-se com seu tempo. Acho que está faltando um pouco isso> esse "compromisso nosso com o nosso tempo",

Bjs

ELIDY FLY disse...

Isabelle,
Essa discussão do contemporâneo na perspectiva da sua explicação no vídeo é muito nova pra mim, como disse, sempre penso o contemporâneo pela lógica da minha militância política (marxista), e na verdade durante um bom tempo ele pareceu pra mim como um "pré - amargedom", como uma bomba pronta pra estourar, sempre tive a idéia de que o contemporâneo fosse o acúmulo de pólvora deixado pelo séc XX (Hobsbawn), e percebi que para mim essa "trama" é como uma criança levada que nos rouba a angústia e nos devolve um sorriso, percebo que embora o contemporâneo seja um esboço do conturbado séc XX, ele não está de todo acabado, podemos mexer nele, podemos redesenha - lo, como você disse no comentário acima, o segredo talvez seja se comprometer com esse tempo, empenhar - se por torná - lo melhor, hoje, não encará - lo como um século fadado ao fracasso e a auto - destruição humana... Acho que nem tô tão pronta pra falar dessa perspectiva tão nova pra mim... o seu otimismo e esperança acaba por me "contaminar". Bjos.
Ah! depois quando puder dá uma olhadinha num comentário que fiz em cima da poesia de Clarice Lispector , eu falo de vc no comentário.hehehe

Isabelle Anchieta de Melo disse...

Elidy,
Vc tocou em um ponto fundamental> o contemporâneo foi preenchido de tal maneira por uma previsão negativa que nos esquecemos de olhar para ele e para as suas possibilidades. Isso nos dá a sensação de que só foi possível viver dignamente em um passado utópico. O "Fim da História", da "Era do Vazio" antes de sê-lo o é, na maioria das vezes, fruto de um discurso que se antepõe ao real e nos impede de vê-lo. Há, como bem disse, um inacabado a nossa frente. Algo a ser feito. Estamos em um momento em que o sujeito ganha mais autonomia e capacidade de refletir, mas falta esse "compromisso com seu tempo". Em parte, como apontou, por já tomarmos o presente com descrédito e desconfiança. Assim, engajar-se na experiência significa, para alguns, uma certa traição com a tradição e com o passado. Mas, não o é. Temos de estar no nosso tempo é ele que nos foi dado e é sobre ele que devemos agir. Quem sabe encontrando engajamentos outros que não tenham no passado uma referência, mas que estejam por ser criados. E, o que há por se fazer é o campo da liberdade e das nossas possibilidades de escrever uma página ou um parágrafo nesse grande livro sem fim...

Obs. Vi sua moderação no seu blog> obrigado pelas palavras e pelo carinho. O meu respeito é recíproco.

Beijos,

O fausto das horas disse...

Isabelle Anchieta,
Bom dia!
Como vai você? Aqui quem escreve é Felipe Chimicatti, ex-aluno seu, da Fumec, do blog rua brasil. Passando pelo seu blog (muito plural inclusive) detive-me em conversar a principio virtualmente contigo.
Nós, da fumec, e sobretudo do quinto periodo, estamos pensando em retomar o blog com força total. Mas a abaordagem, apesar de seguir a linha anterior, será diferente. Editorias, mais pessoas, fotojornalismo. Queremos um projeto plural e semanal. Gostaria de conversar contigo; possibilidade; estruturas.

A nossa relação com o jornalismo esta cada vez mais severa e estamos , ao meu ver, entrando deveras na profissão como reais profissionais. No caso da Tarsila, ela fará ciências sociais a partir de agosto. Eu letras. Acredito que, com uma boa publicização do blog e com uma coesão minima, podemos contruir um modelo de trabalho.

Abraços Isabelle!
Continue com o Blog...A parte audiovisual é excelente.
E parebéns pelo prêmio!
A sua participação na nossa formação foi preponderante.

Anônimo disse...

Isabelle, gostei muito da idéia de expor assuntos em vídeo no seu blog, a imagem é aproximativa. Com a lingüagem interativa, explicativa, facilitou o entendimento do assunto,o que tornou a exposição atraente.Você comentou sobre Nietzsche, um filósofo que particularmente admiro muito e que faz uma afirmação bem condicente com o contemporãneo :"Somos frutos de uma época", ou seja, nossos valores são construídos de acordo com a época em que vivemos. Por esta razão, nos tornamos pessoas mais conscientizadas e de valores mais pragmáticos.

Um grande abraço de sua aluna,

Kellen Santos.

Visite meu site!kellensantos.multiply.com

Anônimo disse...

A tecnologia está a serviço da sociedade, pois a partir do momento que se usufri com responsabilidades, a formas de trabalhos se tornam menos frias e mais agradaveis. Foi muito bom e quase quis entrar em um debate..rs
Obs.: A perda hoje de idolos e também do centro, não pode fazer com que alguns individuos se percam no conteporâneo?

Abraço do seu aluno.

Ítalo Cardoso

Isabelle Anchieta de Melo disse...

Caro Felipe,

vc me deu duas boas notícias. Primeiro a do próprio fato de dar notícias suas e da Tarsila (ambos adimiráveis pela inteligência e pela paixão pelo jornalismo). A segunda boa notícia é a retomada do blog. Não imagina quanto fico feliz com a notícia. Acredito que o blog amadurece junto com a gente.E o Brasil,500 irá, tb, refletir essa nova fase de vcs e a nova formação que estão se propondo. E, claro, estou a disposição para pensar junto a retomada,

Grande abraço e saudades de vcs, mande tb um grande beijo aos colegas da turma,

Isabelle Anchieta de Melo disse...

Querida Kellen,

passei pelo seu blog. Há uma bela seleção de fotos, crônicas e bons links informativos.Ele, em parte, te reflete. Tentei postar uma mensagem, mas não consegui...

Fico feliz tb com sua visita e que tenha gostado do comentário em vídeo, qualquer dia retomo a idéia em uma nova postagem.

bjs

Isabelle Anchieta de Melo disse...

Caro Ítalo,

Gostei da questão/provocação ao fim do comentário. Realmente há mais incertezas no contemporâneo. No entanto, há uma equação muito significativa para entender isso, que é: a liberdade é diretamente proporcional e incerteza. Ou seja, quanto maior a incerteza, maior é tb a liberdade. E, o contrário tb é verdadeiro: quanto maior a certeza menor a liberdade... Cabe escolher. Parece que vivemos a primeira opção, com seu ônus e seu bônus.

Abraço,