janeiro 31, 2011

HUMILDADE> A humildade é um entrave


A humildade nunca me convenceu. Há uma falsidade que se esconde neste tão propagando ato “virtuoso”. Nesse esforço de nos diminuirmos, de não nos acharmos tão bons, de tentarmos nos convencer de que somos menos do que somos... Há por trás dessa “educação da humildade” uma herança cristã que naturalizou o sentimento de conformidade e revolta. Ela nos ensina que os pobres e os humildes são virtuosos e que merecem nossa compaixão e nos fez ver, contrariamente, que os ricos e bem sucedidos merecem nossa desconfiança e rancor.
Uma habilidosa maneira de nos conformar com nossa infelicidade. De nos mantermos passivos diante do nosso infortúnio. Aceitá-lo como uma virtude. O protestantismo, de alguma forma, foi uma reação a isso, uma tentativa de justificar a riqueza de uma nova classe emergente, a burguesia capitalista, como bem o descreveu Weber. Para os reformadores dos princípios cristãos ser rico era um sinal de ser o escolhido por Deus, invertendo a lógica cristã e conferindo, assim, legitimidade a paz para a consciência burguesa. Porque para ser feliz e estar de bem com as suas conquistas é preciso, sim, da aprovação dos que estão a nossa volta. Essa máxima “não me importo com que os outros vão pensar” deve valer apenas para monges budistas confinados em mosteiros. Do contrário, todos nós, sem exceção, desejamos e precisamos de um certo apoio dos que nos cercam. Caso esse apoio não se dê no seio da família, como acontece com a maioria dos homossexuais, por exemplo, seria a busca de grupos de pessoas afins e locais em que a homossexualidade é aceita. Sempre buscamos uma zona de aceitação e ela é necessária para o nosso sentido de valor pessoal.
Mas, voltando a humildade, ela é uma castração de nossas forças. É um esforço contra-produtivo de minarmos nossa energia criativa. Os homens e mulheres que fizeram a diferença na História, que criaram, observem, tinham um quê de arrogância. De um “arrogar-se” um poder, de acreditar em sua potência, em seu sonho. A sua falta de modéstia foi a mola propulsora para tornar o impossível, possível.
No entanto, recair em uma defesa da arrogância me parece igualmente perigoso. Confesso que o desconforto é com a palavra e seu sentido social tão arraigado, difícil de ser “transmutado” dos valores a ela associados _ como bem o sabia Nietzsche (vítima que foi da incompreensão de seu esforço de dar um sentido novo a ideias desgastadas). É nesse sentido que ele afirmava que “ser sincero, mesmo no mal, vale mais que perder-se a si próprio na moralidade da tradição” (Gaia Ciência, p.109). É preciso ver no que se chamou de bem sempre um certo mal e no que se chamou mal um certo bem, sem usar para esse julgamento uma gramática conhecida.
Assim, o que defendo não é um acreditar em si que implique a humilhação alheia (tal como entendemos vulgarmente a arrogância). Não é preciso, para se achar bom, ter de diminuir o outro. Todos somos incomparáveis e isso elimina o sentido e a necessidade da arrogância entendida como denegrir os demais.
Mas, insisto: não se esforcem para diminuir-se. Esforcem-se em elevar-se. Em superar-se, com ética, com amor a si e as suas realizações. Usem todo o potencial que há em si para criar e assim contribuir para o mundo. No fim, uma dose de “arrogância” como criação é a maior prova de generosidade com a humanidade.
“Pois é amando que o mortal dá o que tem de melhor” (Nietzsche, Humano, demasiado humano, p. 184)

2 comentários:

H. Rodrigues disse...

Que beleza de texto! Adorei!
Herbert

Carol Godoi disse...

Realmente muito bem colocado, Isabelle. Gostei demais. Beijos.